domingo, 6 de novembro de 2016

Sentir falta

Não há muitas coisas na minha vida [ no meu passado]  que me tenham afectado tanto como o facto de te ter conhecido. Das imensas e BOAS amizades que tenho a tua foi diferente. Como te disse antes, não fomos "amor à primeira vista" mas ficaste com o meu coração, ou uma parte grande, de amor existente nele.

Tudo quanto te posso dizer, agora que faz um ano desde que soubemos dessa tua mudança de vida, é que na altura [ há um ano atrás] embora eu pensasse que te ia sentir a falta, embora eu tivesse tido momentos de profunda tristeza e me tenha vindo abaixo afogando-me em litros de lágrimas  ( sim, não foste só tu a sofrer com esta mudança) o certo é que por mais que eu imaginasse , nunca pensei que iria ser tão difícil, tão sofrido, e tão duro como foi e tem sido até ao momento.

Não.  Eu não tenho saudades tuas. Eu tenho falta de ti. Muita falta. Tanta falta, que por vezes ainda me deixo afogar nelas (as lágrimas). Depois sinto-me um pouco mais aliviada, mas não menos triste nem com menos falta de ti.

Este foi um ano difícil para mim e para quem me rodeia. Vivi das experiências mais bonitas que se pode viver mas nem isso me trouxe ânimo. Foram muitas as vezes que eu e o G nos lembrámos de vocês...
Sabes, sentir saudade é diferente de sentir a falta. Por isso me custou tanto este ano. Estivemos juntas no Verão eu sei, e AMEI a surpresa, mas para mim não foi suficiente.

Creio que finalmente, quase 1 ano depois, estou então a aprender a viver com a tua ausência. Não te esqueço, mas pelo menos habituo-me a viver assim. Sem ti. Sem a tua presença, sem a tua boa disposição,  o teu ânimo e a tua alegria ... sinto que só agora me começo a habituar à ideia que tu já não moras aqui e que eu tenho que olhar em frente sim ou sim [ porque só aqui entre nós, se não o fizer corro o risco de ficar solteira!!!]

Não é fácil.  Para mim não o é. Para todos sim, menos para mim. Todos estão tão ocupados com as suas vidas mundanas e cheias de stress que não tem tempo para pensar noutras coisas....ao passo que eu até bem pouco tempo, não.  Creio que a chegada da nossa C me veio a ajudar nesta minha nova maratona. Não a esquecer, que isso não é possível, mas sim a aliviar.

Contudo, com C`s e G`s ou não, não há ocupação que me distraia tanto ao ponto de não me lembrar do que vivi [vivemos] há 1 ano atrás e do abraço mais sentido de uma das despedidas mais tristes da minha vida, porque foi aí, quando nos despedimos no aeroporto, que eu senti que tudo isso afinal era mesmo verdade.  Que não havia uma mínima hipótese de volta atrás. Tão triste e tão doce esse momento. Pois apesar do seu significado guardo também o carinho com que o fizemos.
Amo-te minha pessoa.

Fontes:
Texto: Sandra Pereira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...